Programação – Curso a Distância de Sistematização de Experiências Sociais

Formação para profissionais de Institutos, Fundações, Áreas de responsabilidade social de empresas, ONGs e demais interessados em sistematizar experiências sociais.
 
Objetivos
Desenvolver competências em sistematização suficientes para que os profissionais:
  • Reflitam sobre a importância da aprendizagem e do conhecimento social nas organizações e na sociedade.
  • Compreendam a sistematização como um processo de construção de conhecimento sobre e a partir da prática social.
  • Conheçam os procedimentos da sistematização de experiências.
  • Exercitem o processo de reflexão sobre a prática e disseminação de aprendizagens.
  • Construam/acompanhem projetos de sistematização nas suas organizações.
  • Ampliem a complementaridade entre os processos de sistematização, avaliação e formação permanente.
Facilitadoras
Cristina Meirelles e Fernanda Schunck Guimarães
 
Carga horária
08 horas de web aula; 08 horas de leituras prévias; 04 horas de participação nos fóruns; 12 horas para atividades individuais (32 horas)
 
Período e horários web aulas
  • Início: 23 de abril de 2015
  • Encerramento: 16 de julho de 2015
  • Horário web aulas: 9h00 às 11h00
Datas web aulas
23 de abril / 30 de abril / 14 de maio / 11 de junho / 2 de julho
 
Método
Cada um dos quatro módulos é composto pelas atividades abaixo:
  • Leitura prévia
  • Web aula
  • Atividades individuais
  • Fórum
Programação

Módulos

Competência Central

Perguntas de Aprendizagem

Primeiro

Criar e nutrir espaços de aprendizagem e produção de conhecimento na prática social
  • O que é aprendizagem e conhecimento social?
  • Qual a origem, os sentidos e o papel da sistematização de experiências na prática social?
  • Quais as principais abordagens e concepções?
  • No que consiste um projeto de sistematização? Quem participa?

Segundo

 

Conhecer a sistematização de experiências e as diferenças em relação a outros procedimentos.
  • Quais os objetivos e objeto da sistematização?
  • O que são perguntas de sistematização/perguntas de avaliação?
  • Como fazer uma sistematização?

Terceiro

Conhecer e exercitar os procedimentos da sistematização de experiências.
  • Como definir focos e conteúdos centrais?
  • Como registrar e documentar?
  • Como realizar a construção metodológica?

Quarto

Refletir e socializar as aprendizagens
  • Como refletir sobre a própria prática?
  • Como transformar o projeto de sistematização em um processo de reflexão permanente?
  • Quais são os produtos e utilidade de uma sistematização de experiências?

 

 

Bibliografia

AGUIAR, Wanda Junqueira. Consciência e atividade: Categorias fundamentais da Psicologia Sócio-Histórica. In BOCK, Ana Maria; GONÇALVES, Maria Graça; FURTADO, Odair (Orgs). Psicologia Sócio-Histórica: uma perspectiva crítica em psicologia. São Paulo: Cortez, 2002.
BARNECHEA, Maria Mercedes, GONZALEZ, Estela, MORGAN. Maria da Luz.  La Produccion de Conocimientoen Sistematizacion.  Lima: Taller Permanente de Sistematizacion, 1998.
BORDIEU, Pierre. Razões Práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 2005.
DEINZELIN, Monique. Construtivismo: a poética das transformações. São Paulo: Ática, 1996.
FREIRE, M.; CAMARGO, F.; DAVINI, J.; MARTINS, M. Observação, registro, reflexão – Instrumentos metodológicos I. São Paulo: Espaço Pedagógico, 1996.
JARA, Oscar. Para sistematizar experiências. São José da Costa Rica: Alforja, 1998.
___________. Palestra realizada durante seminario da ASOCAM: Agricultura Sostenible Campesina de Montana organizado pela Intercooperation, 2001, Cochabamba, Bolivia. Dilemas Y Desafios de la Sistematizacion de Experiencias.  Cochabamba: Centro de Estúdios y Publicaciones Alforja, 2001. 
___________. Para sistematizar experiências. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2006. 
LERNER, Delia. Ler e escrever na escola: o real, o possível e o necessário. Porto Alegre: Artmed, 2002.
MEIRELLES, M. Cristina. Conhecimento e Prática Social: a contribuição da sistematização de experiências PUCSP:2007 (biblioteca virtual).
MORGANA, Maria da Luz; FRANCKE, Marfim. La Sistematizacion: apuesta por la generación de conocimientos a partir de las experiencias de promocion. In: Escuela para el Desarrollo. Materiais Didácticos, n. 1, Lima, 1995.
OCAMPO, Ada; BERDEGUÉ, Júlio A. Guía Metodológica y Guías de Terreno para la Sistematización de Experiencias Locales de Desarrollo Agrícola y Rural. CD-ROM Aprendiendo para dar el Siguiente Paso,  PREVAL, FIDAMERICA, FIDA,  Chile, 2001.
PERRENOUD, Philippe. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens – entre duas lógicas. Trad. Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.
PLATÃO. A República. São Paulo: Nova Cultural, 1999.
SANTOS, Boaventura Souza. Critica da razão indolente – contra o desperdício da experiência – vol 1. São Paulo: Cortez, 2001.
_______________________. Um discurso sobre as ciências. São Paulo: Cortez, 2003.
VYGOTSKY, Lev Semenovitch. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
ZUTTER, Pierre. Des histoires, des savoirs et des hommes: l’expérience est un capital – réflexion sur  la capitalisation de l’experience. Paris: FPH, 1994.
 
Facilitadoras
Cristina Meirelles
Socióloga graduada na Universidade de Paris I Sorbone e Mestre em educação pela PUC-SP desenvolve trabalhos na área social e educacional desde 1990, quando atuou em projetos de desenvolvimento comunitário e de instituições educativas junto a organizações públicas e privadas em São Paulo e como formadora de gestores e educadores de organizações atuantes na periferia das cidades. Atuou como analista de projetos para a VITAE e gerenciou por sete anos os programas e projetos da Fundação Abrinq pelos Direitos da Criança. Desde 2002 é consultora de processos, planejamento, avaliação e sistematização, realizando pesquisas e publicações junto ONGs, governos, fundações empresarias ou agências multilaterais. É diretora presidente e fundadora da CASA7 – Memórias e Aprendizagens, uma organização sem fins lucrativos fundada em 2006, com o objetivo de contribuir para o fortalecimento da prática social pela via da produção e articulação do conhecimento que dela deriva.
 
Fernanda Schunck Guimarães
Licenciada em Artes Plásticas pela Universidade de São Paulo, com especialização em Fotografia e Culturas Urbanas pela Universidade Goldsmiths de Londres, desenvolve trabalhos na área social e educacional desde 1998, quando atuou em projetos de interação artística comunitária. Com 14 anos de experiência em facilitação de processos de formação de adultos (gestores, professores e outros profissionais da educação), jovens e crianças, sete em posições de coordenação e referência, atuou também com Assessoria Pedagógica a Emeis, Emefs, Creches e ONGs. Desde 2008 é coordenadora pedagógica da Casa Mestre Ananias, realizando pesquisas em educação integral, arte e cultura popular. É responsável técnica do Espaço de Formação CASA7 – Memórias e Aprendizagens.